Kubrick foi, de acordo com vários estudiosos do cinema, o melhor e mais genial de todos os diretores da Sétima Arte! Inventou estilos, criou filmes ousadíssimos e gravou a chegada do homem à lua (teorias da conspiração também fazem parte do Currículo invejável do diretor). Conheça agora cinco filmes fantásticos de Stanley Kubrick, que nos deixou há vinte anos mas que ficará eternamente no mundo do cinema!

1) Dr. Fantástico (1964)

Com Peter Sellers, George C. Scott, Sterling Hayden. Comédia.

Refinada, “Dr. Fantástico” é uma sátira corajosa das fortes tensões da Guerra Fria, revelando o medo dos altos escalões dos governos – EUA e URSS – de uma possível guerra nuclear. O filme conta a história dos presidentes dos Estados Unidos e da União Soviética que, a todo custo, tentam parar um avião-bombardeio mandado por um general enlouquecido que quer iniciar um novo conflito armado.

Curiosidade: Peter Sellers, muito genialmente, interpretou três personagens no longa.

2) Barry Lyndon (1975)

Com Ryan O’Neal, Hardy Krüger, Marissa Berenson. Drama Histórico.

A ascensão e queda de Redmond Barry – desde sua fuga por ter assassinado um homem, passando pelos exércitos Britânico e Prussiano, até sua subida às altas classes da aristocracia – tornando-se Barry Lyndon -, e, por fim, sua derrocada. Um filme belíssimo que, apesar de não ter sido sucesso de público, crítica e bilheteria, configura na lista dos 100 melhores filmes da Time Magazine.

Curiosidade: Kubrick não queria luzes artificiais neste projeto, ordenando a John Alcott (“2001 – Uma Odisseia no Espaço”, e “Laranja Mecânica”), que fizesse toda a iluminação natural – no caso, a Europa do Século XVIII -, advindas do céu nublado Irlandês e velas. Para realizar o feito, a produção do filme, em conjunto à NASA, fizeram lentes especiais para a ambientação da narrativa, que captasse com perfeição seus ambientes soturnos.

3) Laranja Mecânica (1971)

Com Malcolm McDowell, Patrick Magee, James Marcus. Distopia Cyberpunk.

A história de Alex DeLarge, tirano de pequenos poderes que, em um mundo pós-apocalíptico, violenta de várias formas seus familiares, amigos, conterrâneos, poder público e governo, em suma. Preso e “Ressocializado” – Tratamento Ludovico -, volta às ruas e torna-se vítima daqueles que outrora violentara.

Curiosidade: Na Inglaterra, o filme influenciou – direta ou indiretamente -, alguns jovens desajustados a cometerem violências de forma bizarramente análoga aos Drugs de Alex. Kubrick, sofrendo pressão dos poderes públicos e governamentais, retira o longa dos cinemas ingleses. Agora um clássico, o filme volta às terras da rainha nos anos 00’s.

4) O Iluminado (1980)

Com Jack Nicholson, Shelley Duvall, Danny Lloyd. Suspense.

Inspirado no livro homônimo de Stephen King, “O Iluminado” conta a história de uma família que, durante o rigoroso inverno americano, zela um gigantesco e misterioso hotel. Ao decorrer da narrativa, coisas bizarras passam a acontecer, culminando na loucura do patriarca da família.

Curiosidade: A cena em que Wendy, segurando um taco de basebol, discute com Jack em uma escada, foi repetida 127 vezes até chegar à perfeição! É a cena com mais takes do cinema falado. Veja-a abaixo:

5) De Olhos Bem Fechados (1999)

Com Nicole Kidman, Tom Cruise. Drama.

O filme mais misterioso de Kubrick. Não precisamente sobre a narrativa em si apresentada, mas sim, pelo que ela transcreve do mundo real ao ficcional. Encontros secretos da alta sociedade, seitas, rituais, orgias, tudo de mais podre e que deve permanecer escondido sob a máscara social – todo esse mundo, desde as falsas aparências até a essência insuportável do Ser Humano, são retratadas no último longa do diretor.
“De Olhos Bem Fechados” conta a história do casal Alice e Bill Harford que, em uma discussão de relacionamento, revelam segredos íntimos, desses que guardamos com toda a atenção do mundo na parte mais escondida da nossa alma. Tal conversa abala Bill, fazendo-o realizar alguma fantasia escondida, por Nova York (ou, pelo menos, tentar). Sua necessidade de vingar-se dos desejos da esposa o faz parar em um ritual satânico, em uma mansão afastada da cidade de NY, pondo-o em risco por saber demais sobre a High Society local.

Vale leitura: O Misterioso simbolismo de Kubrick

Curiosidade: Como dito no texto de apresentação da matéria, Stanley Kubrick está envolto em várias teorias da conspiração – desde a chegada do homem à lua (dizem que tudo não passou de um grande teatro montado, coreografado e dirigido por Kubrick); até a sua morte, que aconteceu algumas semanas antes do corte final aprovado pelos executivos da Warner Bros., em Março de 1999. Dizem as más línguas que o corte original de Kubrick contava além do que devia, desagradando o estúdio. Dias depois da primeira apresentação, Kubrick falece, despertando em nós uma dúvida inerente: Kubrick foi assassinado por saber demais?, ou por contar demais? Ou foi apenas o destino agindo de forma simples e sádica?

Claro que coincidências acontecem – queremos acreditar que coisas mirabolantes e loucas saiam dos roteiros dos filmes e transbordem para o mundo real que, geralmente, é chato e sem os brilhos da ficção. Porém, com verdade ou com mentira, o mistério ficará no ar para sempre, assim como a filmografia do eterno Stanley Kubrick, o mais perfeccionista e genial diretor de todos os tempos!

Para saber mais! Três canais sobre cinema que se debruçaram sobre o grande Kubrick!

Canal Pipocando sobre o diretor Stanley Kubrick.
Canal Cinemardem sobre o diretor Stanley Kubrick.
Canal Gustavo Cruz sobre como Kubrick faz um filme.