Elio (Timothée Chalamet) e Oliver (Armie Hammer)

“Me Chame Pelo Seu Nome” (Call me By Your Name), já chamava a atenção por aqui antes mesmo de estrear oficialmente nos cinemas.
Fenômeno parecido se deu mundo afora…e por onde já passou, o longa foi conquistando público e ganhando notoriedade.
Em uma simples análise…não é dificil entender o porquê.
Dirigido pelo cineasta italiano Luca Guadagnino e baseado no romance homônimo de André Aciman…o que se vê é um belo e sensível filme.
A história se passa em 1983. Elio é um garoto que passa mais um bucólico verão na casa de campo de seus pais na Itália.
Seu pai é um especialista em cultura grego-romana…e recebe o acadêmico Oliver para ajudá-lo em uma pesquisa.
A chegada de Oliver muda lentamente a rotina do local…e mexe principalmente com o mundo de Elio, que a partir daí viverá uma jornada de autodescoberta, através de um tórrido romance com Oliver.


Rotular o filme de “romance gay” é limitá-lo, uma porque trata sobre muito mais do que isso. Além do mais, os personagens Elio e Oliver são, aparentemente bissexuais na trama.
Aqui o foco é acima de tudo a humanidade dos personagens.
Apesar de ter sido ignorado em premiações como o “Globo de Ouro”, o filme segue como uma aposta sólida para o Oscar, segundo alguns especialistas (será?).
Dentre outros aspectos positivos, se destaca a atuação de Timothée Chalamet, como o jovem Elio. Simplesmente maravilhoso.
A fotografia é muito bonita. Solar e pontual…e ajuda na construção do longa.
Desviando dos clichês com maestria, “Me Chame Pelo Seu Nome” evita rótulos, evita o dramalhão e desfila com leveza.
Não existem julgamentos…não existe “certo” ou “errado”.Existem somente duas pessoas que se encontraram…e isso fica ainda mais evidente no diálogo entre Elio e seu pai, que fecha a história. Uma conversa madura e emocionante, como todas as conversas desse tipo deveriam ser.
Um belo filme, um belo trabalho, que mostra esmero até mesmo nos créditos finais…que são acompanhados de uma contemplativa e delicada cena.
Certamente irá chamar ainda muita atenção.

 

Trailer