Globo de Ouro 2018 | Confira tudo sobre a noite da premiação

Na noite deste domingo, 07 de janeiro, promovida pela Associação da Imprensa Estrangeira em Hollywood (HFPA, na sigla inglês), aconteceu a cerimônia da 75ª edição do Globo de Ouro, em Los Angeles. Com apresentação de Seth Meyers, a disputa tradicionalmente dá largada na temporada de prêmios.

Logo no famoso red carpet (tapete vermelho), gerou expectativa não pelos glamorosos vestidos das atrizes, mas pela campanha do Time´s Up, entidade recém-criada por mulheres que trabalham na indústria cinematográfica para lutar contra o assédio e a desigualdade de gênero no ambiente de trabalho.

Com o endosso de mulheres como a roteirista Shonda Rhimes e as atrizes Reese Witherspoon e Meryl Streep, o Time´s Up lançou sua primeira grande ação: as convidadas para o Globo de Ouro deste ano usassem o preto.

O movimento surgiu diante da leva de denúncias que continuam atigindo alguns dos homens mais poderosos de Hollywood. O caso mais emblemático e grave, até o momento, foi com o ex-produtor Harvey Weinstein, sócio da The Weinstein Company. Após anos de prestígios, Weinstein se viu no centro de um artigo no The New York Times, revelando que, por anos, o produtor assediou atrizes e funcionárias da antiga Miramax, hoje TWC, empresas das quais é cofundador. A reportagem fez com que celebridades do porte de Gwyneth Paltrow, Angelina Jolie e Cara Delevingne rompessem o silêncio e contassem as intimidações que todas sofreram por parte de Weinstein.

Todavia, a campanha do Time´s Up não foi unanimidade. Uma das atrizes a acusar o assédio de Weinstein, Rose McGowan, conhecida pelo seu papel na série Charmed, acusou o gesto de usar preto como hipocrisia, no Twitter. A atriz Blanca Blanco furou o protesto e não vestiu preto. No Twitter, respondeu as críticas. No post, argumentou que “O problema é maior do que a cor do meu vestido“.

A modelo e atriz Barbara Meier, que também optou por não aderir à campanha, havia publicado um texto sobre sua escolha antes da premiação. No instagram, se justificou: “Muitas mulheres vão vestir preto esta noite para apoiar o movimento ‘Time’s Up’. Eu acho uma grande e extremamente importante iniciativa. Entretanto, eu decidi usar um vestido colorido esta noite. Se queremos que esse seja o Globo de Ouro das mulheres fortes que defendem seus direitos, eu acho, que é o caminho errado não vestirmos qualquer roupa sexy ou deixar que as pessoas levem nosso prazer de mostrar nossa personalidade através da moda. Estamos lutando há muito tempo pela liberdade de vestir o que quisermos. Se restringirmos isso, porque alguns homens não podem controlar a si mesmo, isso é um enorme passo atrás, na minha opinião. Nós não devemos ter que vestir preto para sermos levadas a sério. Mulheres devem brilhar, serem coloridas e cintilantes. E para deixar claro: Muitas coisas ruins aconteceram e não devem acontecer nunca mais”.

Durante a cerimônia, bem-humorado, como deve ser todos os anfitriões, Seth Meyers teve a missão de ser engraçado ao tratar assuntos gravíssimos e pesados, como o assédio sexual. “Quem precisa apresentar outras premiações está me olhando como se eu fosse o primeiro cachorro enviado à Lua”, disse. Optou por não deixar nada de fora. Citou nominalmente o produtor Harvey Weinstein e disse que ele “voltará dentro de 20 anos para ser a primeira pessoa vaiada durante o segmento in memoriam”. Um murmúrio percorreu o salão do hotel Beverly Hilton. “Sim, vai soar desse jeito.” Os risos indicaram que Weinstein já morreu para este mundo. Houve muitas outras brincadeiras sobre assédio sexual.

A atriz e apresentadora Oprah Winfrey, foi a grande homenageada da noite, pelo conjunto da sua obra. Recebeu o prêmio Cecil B. DeMille. Ela atuou em filmes como A Cor Púrpura (1985), Bem-Amada (1998), O mordomo da Casa Branca (2013) e Selma: Uma Luta Pela Igualdade (2014).

Em seu discurso, Winfrey adotou um tom de reivindicação, e com um grande toque humano, em que tratou dos assédios e abusos sexuais ocorridos em Hollywood e enquadrou o tema em um contexto mais amplo – garantindo que se trata de um problema que transcende culturas, espaços geográficos, raças, religiões, posições políticas ou local de trabalho.

“[…]Então, eu quero que todas as garotas assistindo aqui, agora, que saibam que um novo dia está no horizonte. E que quando este novo dia finalmente chegar, será por causa de muitas mulheres magníficas, muitas delas aqui nesta sala esta noite, e algum homens fenomenais, lutando duro para ter certeza de que elas se tornem as líderes que nos levem a um tempo em que ninguém jamais tenha de dizer ‘Eu também’ novamente.” – Esbravejou a homenageada, ao falar sobre a campanha #MeToo (Eu também), que denuncia os escândalos sexuais.

No clima dos discursos sem meias palavras, Natalie Portman foi sensacional. Ao anunciar o prêmio de Melhor Diretor, a atriz, ao lado de Ron Howard, alfinetou os filiados do Globo de Ouro, quando lembrou da falta de nomes femininos na lista dos indicados da categoria: “Aqui estão os indicados, todos do sexo masculino, a Melhor Direção”. – Alfinetou Portman.

Ao final, Big little lies, The Handmaid’s Tale, Três Anúncios Para um Crime, Lady Bird – A Hora de Voar, Guillermo Del Toro, Nicole Kidman, Elisabeth Moss, Sam Rockwell, Gary Oldman e Saoirse Ronan foram alguns dos vencedores. Entre protestos e glamour, o Globo de Ouro mostrou para o mundo a fachada que todos vivem em Hollywood. Sim, eles têm teto de vidro.

Confira os vencedores:

CINEMA

Melhor Filme de Drama:
“Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Ator em Filme de Drama:
Gary Oldman – “O Destino de Uma Nação”

Melhor Atriz em Filme de Drama:
Frances McDormand – “Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Filme de Comédia ou Musical:
“Lady Bird: É Hora de Voar”

Melhor Ator em Filme de Comédia ou Musical:
James Franco – “Artista do Desastre”

Melhor Atriz em Filme de Comédia ou Musical:
Saoirse Ronan – “Lady Bird: É Hora de Voar”

Melhor Ator Coadjuvante em Filme:
Sam Rockwell – “Três Anúncios para um Crime”

Melhor Atriz Coadjuvante em Filme:
Allison Janney – “I, Tonya”

Melhor Diretor:
Guillermo del Toro – “A Forma da Água”

Melhor Roteiro:
“Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Filme de Animação:
“Viva: A Vida É Uma Festa”

Melhor Trilha Sonora:
“A Forma da Água”

Melhor música original:
“This Is Me” – “O Rei do Show”

Melhor Filme Estrangeiro:
“Em Pedaços” (Alemanha)

TELEVISÃO

Melhor Série de Drama:
“The Handmaid’s Tale”

Melhor Ator em Série de Drama:
Sterling K. Brown – “This Is Us”

Melhor Atriz em Série de Drama:
Elisabeth Moss – “The Handmaid’s Tale”

Melhor Série de Comédia ou Musical:
“The Marvelous Mrs Maisel”

Melhor Ator em Série de Comédia ou Musical:
Aziz Ansari – “Master of None”

Melhor Atriz em Série de Comédia ou Musical:
Rachel Brosnahan – “The Marvelous Mrs. Maisel”

Melhor Minissérie ou Telefilme:
“Big Little Lies”

Melhor Ator em Minissérie ou Telefilme:
Ewan McGregor – “Fargo”

Melhor Atriz em Minissérie ou Telefilme:
Nicole Kidman – “Big Little Lies”

Melhor Ator Coadjuvante em TV:
Alexander Skarsgård – “Big Little Lies”

Melhor Atriz Coadjuvante em TV:
Laura Dern – “Big Little Lies”

? NBC / Divulgação

Etiquetas: , , , , , , , , , ,


Alyson Fonseca

É um grande e verdadeiro apreciador da sétima arte.

"O cinema é um modo divino de contar a vida"
Federico Fellini

© 2018 Cinerama Clube.

Todos os direitos reservados.

CONTATO | ANUNCIE

Developed By: Vedrak Devs