6 coisas da segunda temporada de Stranger Things que todo mundo amou ver

Stranger Things está de volta, e todos os maratonistas já escolheram os melhores momentos dessa nova temporada.

O talento de Noah Schnapp

É inevitável não ficar de cara com a evolução do personagem Will. Afinal aquele tempo todo procurando o menino no mundo invertido não foi atoa, não. Há pelo menos 3 episódios nessa temporada que fazem ficar embasbacada com sua atuação, vai da caída no chão tendo uns tremeliques sinistros ao exorcismo com ar quente..
Emmy, Noah merece uma indicação, viu?

Mad Max

Mesmo sem um grande desenvolvimento na trama é inegável o carisma natural que a atriz Sadie Sink carrega ao decorrer de cada episodio. O jeitinho ogro conquistou não só Lucas e Dustin, mas a maioria dos telespectadores.

O final digno de Barb

A prova viva que a voz do povo é a voz de deus (?)
No final da primeira temporada, a indignação geral, foi com o a total falta de desfecho na historia da personagem barbara, interpretada por Shannon Purser. A atriz que até foi indicada ao Emmy pelo papel, e teve finalmente um fim digno com seu velorio .

Bob

Quando Sean Astin apareceu em cena foi difícil desvencilhar ele do inesquecível Sam, da trilogia senhor dos anéis. Mas os episódios foram passando, e passando e ah a dor… netflix a senhora tem que ser muito malvada pra colocar no nosso caminho um ser de luz e amor desses e tira-lo em tão pouco tempo. Fiquei só a personagem da Winona Ryder aqui em casa: não consegui superar.

Dustin e Steve

Dá vontade né? @Nancy
Uma coisa que foi bem trabalhada no roteiro dessa segunda temporada foram os vínculos de personagens que não tinham lá uma grande conexão na temporada anterior. Dustin e o Steve são a maior prova de como isso foi feito com excelência. A relação dos dois é aquela coisa de irmão mais velho ajudando o irmão mais novo, ficou super fofo e tirou menino Steve do limbo dos personagens chatos.

Hopper e Eleven

Mais um vinculo sincero criado com sucesso! É difícil não se emocionar com relação de pai e filha entre o xerife e a pequena “Jane”. Algo que, trabalhado da forma errada poderia soar forçado, ou totalmente piegas. Créditos a Millie Bobby Brown e David Harbour por suas ótimas interpretações.

Etiquetas: , , , ,


Dani Califórnia

Estudou produção audiovisual e fotografia. O pai era um tira e a mãe uma hippie. É obcecada por paletas de cores e assiste qualquer filme se tiver a Amy Adams no elenco. É um vyado com y e a maior fã de pagode anos 90 desse brasil.

"O cinema é um modo divino de contar a vida"
Federico Fellini

© 2018 Cinerama Clube.

Todos os direitos reservados.

CONTATO | ANUNCIE

Developed By: Vedrak Devs