Filme Baiano no Festival de Cannes!

“Um Dia É da Vida, O Outro da Morte” é um curta-metragem de baixo orçamento dirigido pelo jovem cineasta Calebe Lopes, utilizando a UFBA como principal cenário de uma trama cheia de mistérios.

Há um assassino na universidade, o cadáver encontrado no começo da manhã é a prova disso. Quem conseguiu sair da faculdade antes da policia chegar, se livrou. Quem não teve a sorte, é obrigado a ficar preso dentro da universidade enquanto as investigações são feitas. Mas ninguém parece se preocupar com isso.

André quer reatar seu romance com Júlia, que precisa contar um segredo pra André, enquanto Milton está enfrentando seu luto e Matheus quer inaugurar sua câmera e fazer um filme dentro da faculdade.

“Um Dia É da Vida, O Outro da Morte” é um curta-metragem sobre a frieza de uma geração, sobre a banalização da única certeza que se tem na vida: a morte. Em que ponto deixamos de nos chocar com o horror do fim?

O único filme baiano em Cannes, Um Dia É da Vida, o Outro da Morte foi aceito no Short Film Corner, categoria não competitiva do festival mais famoso do mundo!

Comentários sobre a produção:

“Conseguimos nosso objetivo. “Um Dia É da Vida, O Outro da Morte” nunca teve a pretensão de ser um filme perfeito, exemplar ou de fácil aceitação. Mas queríamos um filme diferente. Em todo o momento, desde a pré-produção, reuniões e gravação, conversávamos sobre a necessidade de um filme que se mostrasse diferente diante do panorama contemporâneo do cinema brasileiro. Queríamos ter um sopro de novidade diante dos recentes curtas e longas produzidos na safra nacional. E cremos que conseguimos isso.
Disfarçados de uma trama de mistério, horror e humor negro, está uma trama sobre essa banalização da morte, da tragédia. Um comentário sobre uma geração vazia, imprevisível, que em tempos de Facebook e Whatsapp, prefere registrar e compartilhar ao invés de refletir. Refletir sobre o registro, aliás, é outra proposta cara ao curta.

Oferecemos aqui uma reflexão sobre a representação, tanto no tom farsesco e teatral do filme, quanto pelos próprios personagens sempre estarem munidos de câmeras, filmadora e celulares. Há uma fixação por se aproximar da morte, por registrar aquilo e guardar para a posteridade.
É um filme sobre corpos mortos, registrando mortes e representando a vida. A ideia parte de uma observação sobre a falta de segurança na universidade federal onde estudo e onde foi gravada a maior parte do filme, a UFBA, repleta de matagais e locais perigosos.
É ainda mais uma tentativa de fazer cinema de gênero no Brasil, com o vigor que apenas o cinema universitário de baixo orçamento pode oferecer. É um filme pensado, com cores, cortes e composições visuais planejados para provocar e instigar.

Independente do resultado, estamos contentes. Conseguimos nosso objetivo: fizemos um filme diferente.”

Página do filme no Facebook: https://www.facebook.com/umdiaedavidaooutrodamorte/
E-MAIL DO DIRETOR: [email protected]
E-MAIL DO ATOR PROTAGONISTA: [email protected]

Etiquetas: , , , , ,

"O cinema é um modo divino de contar a vida"
Federico Fellini

© 2018 Cinerama Clube.

Todos os direitos reservados.

CONTATO | ANUNCIE

Developed By: Vedrak Devs