Adrien Brody (PERFIL) Mais do que O Pianista

Largos ombros e fineza lúgubre. Artista além do atuar. Adrien Brody is in the building! (Frase usada por ele mesmo quando vai à entrevistas na rádio SwayUniverse.)

Já aos 43, esbanja elegância e casualidade no visual. Transmite o talento, o profissionalismo/responsabilidade, e o explorar da vida — o que aprendeu desde a infância pela criação dos pais. Exemplos de homem ensinados por Sylvia Plachy e Elliot Brody, no caos lírico do distrito do Queens da década de 70. Acredito que não ficou sem frequentar o Bronx também, com a pegada de más influências de gangues e toda a cultura dos subúrbios de NYC. Desde a adolescência está em contato com um cenário cultural hip-hop e cinematográfico, sem jamais deixar de ser o cara mais tranquilo e elegante de terno em um tapete vermelho.

Falar sobre Cinema e suas delícias requer estar por dentro do roteiro e etc, e, ainda mais que isto, estar atraído pelo feito de um ator ou atriz. Seja o filme que for, de início de carreira ou de prestígio de nomeação por Hollywood. E o feito de um ator em cena, durante vários personagens analisados, pressupõe-nos seu talento de tornar  real uma característica, um sotaque, um estilo de traje, um comportamento. Raros atores – ouso dizer isto sobre Brody – possuem o charme e o talento de trabalharem com atuação nas grandes telas com diversidade e encaixe. Não somente é profissional mas é também artista, permitindo-se absorver e transparecer personagens e personalidades diferentes.

Um sofrer de infância que cobra, a mudança de adolescentes, por um professor substituto (Detachment,2011), um retorno há lugares e passados sombrios atormentando a mente de um psicólogo (Backtrack,2015), uma experiência comportamental invocando o lado mais vingativo de um cara simples, da paz (The Experiment,2010).

Interessante pensar como os atores que amamos são profundos em seus papéis e aprendem com eles. Porque é de exclusivo contato que um ator presencia no ato dos filmes. É saber que a roupa, o cenário o transforma em outra pessoa. E dá certo. Encaixa.

Não é somente através do Adrien Brody Pianista, e sua conquista na noite do Oscar em 2003, que se entende o perfil do cara.  Apesar, é óbvio, que depois de vê-lo como um pianista polonês judeu, dirigido por um Roman Polanski, o respeito é bem maior.  O que dizer de sua atuação calma e bonita como homem músico; mordendo a própria gengiva e tremido pela fome e magreza experimentadas; e de sua dedicação extrema para chegar a um estado de tragédia, próprio do pianista representado na biografia.
The Good Films movie cinemagraph thegoodfilms adrien brody
adrien brody the pianist wladyslaw szpilmanEste ator das diversidades acredita na linha do representar o que é desafiador e está em constante mudança. É o que sempre afirma em entrevistas, ao falar sobre o que de melhor o showbiz pode oferecer. As inspirações de Adrien vão desde um caractere do subúrbio perigoso e profano, até um de épica sociedade da fama, como na minissérie Houdini (2014). Percebe-se em seus personagens, que está sempre encaixado, aprovado, transformado. Que a atuação está bem aplicada.

Brody é bad guy em longas de roteiros atrativos e criminais. Mas não somente isto, é adornado com a expressão de personagens ousados e sentimentais . O Ritchie, de O Verão de Sam (1999), tem a vida adulta de  um jovem punk , e é o principal alvo de investigações sobre um serial killer. O Bloom, de The Brothers Bloom (2008), como vigarista sensível á beira de deixar a profissão do crime ao se apaixonar comicamente. Em personagens assim, o easy talk, a forma como Brody pratica as falas de um jeito arrastado e provocativo de gírias, não passa despercebido em filmes de envolvimento ao crime e às ruas.

No romance difícil e gostoso Love the Hard Way (2001) , ele está como um ladrão pomposo pela jacketa de couro animal e apaixonante como escritor às escondidas em um storage . Conhece uma estudante ingênua, por acaso, se envolvendo tão profundamente que um muda o estilo de vida pelo outro. Parece ter sido um romance barato, tirado das ruas do Bronx. Mas é exatamente isso. E olha só, é ótimo. Muito anos 2000, em seu comecinho, e muito envolvente – a trilha é desconhecida mas é gostosa com o hip hop devagar e atenuado por um jazz de subúrbio, deixando as faixas sensuais.

sexy smoking shirtless adrien brody
Love the Hard Way, 2001
Resultado de imagem para american heist gif
American Heist, 2014

A atuação de Brody para caras de “vida curta” mas cheia de adrenalina, marca ainda em American Heist (2014), onde não convence com trama e elenco fracos, porém destaca um ex-detento empolgadíssimo para um último golpe. Tanto em Love the Hard Way quanto neste, a característica de um Brody atraente influenciado pelo background das ruas e do estilo bad guy, tatuado, apropriadamente com uma arma e um cigarro, me convence de que este perfil traçado, é o cara que mais atrai a sociedade cinéfila feminina. Sem rebaixar o posto do bem vestido John Wick, é claro.

Invertendo para  good guy

…Adrien e Penélope Cruz são ardentes em Manolete (2007)! Sem falar na aparência com o verdadeiro toureiro espanhol, sua atuação é muito bonita e delirante, como o próprio encenar corporal nas cenas em que está na arena. Destaque para o vermelho do Capote de Manolete e do vestido de Penélope.

O que dizer ainda de personagens lúdicos, quase animados, de Wes Anderson. O fictício anti-vilão Dmitri e o irmão do meio, Peter. Não só isto, mas a comédia impossível possível de Wes, fez Adrien bem especial. O primeiro, ele personifica um Conde de gostos arrojados e linguajar grosseiro,  deixando-o sensacional em The Grand Budapest Hotel (2014). O último, ele é parte de um trio de irmãos que não se veem há um tempo, sendo aquele que obtêm mais ego que o mais velho e mais indecisões que o mais novo (The Darjeeling Limited, 2007).

"The Grand Budapest Hotel" (2014): darjeeling limited: Outro, ainda, quase animado personagem, é o Salvador Dalí de Midnight in Paris (2011). Forte no sotaque e emblemático na aparência e nas “visões” persistentes de “rinocerontes”. Mesmo que sua participação não passe de 5 minutos, sua presença é importante e divertida para um papel de grande semelhança e de precisão performática de.

Wes escalou Adrien, novamente, no fim de 2016 para um curta publicitário da marca H&M. Apenas 3:52 min e é excelente, veja aqui. Outra participação em curtas, foi no projeto incrível Jameson First Shot super apoiado pelo super Kevin Spacey. Veja um dos 3 curtas.

Adrien fucking Brody, é um cara apaixonante de certo. O  perfil de ator crescido no Queens/Bronx e filho de pessoas artisticamente presentes, o faz ser ator de O Pianista e ator com a bandeira do hip hop e a arte grafitada social. Em conversa descontraída na rádio, ele afirma sua criação e influências familiares como importante pilar para aprender com os papéis diversos, de se colocar em desafios, de preocupar-se com as mazelas da sociedade. Adrien atua, faz beats em seu ipad, pinta, e compartilha a ideia de um mundo melhor. Uma olhada em sua conta do Instagram, é possível ver isto tudo e se simpatizar por sua fineza e autenticidade.

wow wink jeff goldblum oscars 2015 adrien brody


Letícia Nunes

Cinema: artefato preferido // [email protected]

"O cinema é um modo divino de contar a vida"
Federico Fellini

© 2018 Cinerama Clube.

Todos os direitos reservados.

CONTATO | ANUNCIE

Developed By: Vedrak Devs