20 videoclipes sensacionais dirigidos por cineastas

Aumente o som e não tire os olhos da tela…

Muitos cineastas não consideram videoclipes como arte por não acreditam que uma música e um audiovisual consigam transmitir, no mesmo tempo, uma mesma sensação. Por isso, eles são, muitas vezes, renegados por diretores de cinema e grandes nomes do mundo acadêmico da área que tem uma postura mais conservadora.

Na contramão desses ortodoxos, muitos cineastas conseguiram mostrar o quão brilhantes, instigantes e culturalmente impactantes os videoclipes podem ser, servindo até como porta de entrada para gigantes do mundo do cinema, como David Fincher, Spike Jonze e Michel Gondry.

Aqui, separamos pra você uma lista com os 20 melhores videoclipes nacionais e internacionais dirigidos por cineastas consagrados.

20º – “Já É” (2003)

Artista: Lulu Santos
Diretor: Andrucha Waddington
Principais trabalhos no cinema: Casa de Areia, Eu Tu Eles, Os Penetras, Maria Bethânia – Pedrinha de Aruanda

Usando o Rio de Janeiro como pano de fundo para uma aventura onde Charlie’s Angels brasileiras tem a missão de impedir que Lulu Santos seja clonado, o vídeo dirigido por Andrucha Waddington, traz cenas de luta e perseguições exageradas sem fazer muito sentido, o que traz graça ao clipe.

Abraçando tudo de melhor que a série setentista pode oferecer, o vídeo de “Já É”, do Lulu Santos, traz uma versão nacional das Panteras, interpretadas por Claudia Abreu, Fernanda Torres e Mariana Ximenes.

19º – “They Don’t Care About Us” (1996)

Artista: Michael Jackson
Diretor: Spike Lee
Principais trabalhos no cinema: Ela Quer Tudo, Malcolm X, Faça a Coisa Certa, O Plano Perfeito

Em 1996, o Rei do Pop gravou o vídeo de uma de suas raras canções de protesto no Brasil. Rodado na favela Dona Marta, no Rio de Janeiro, e no Pelourinho, em Salvador, o clipe, mostra o cantor cantando e dançando, enquanto é observado por seus súditos brasileiros.

As autoridades brasileiras não ficaram satisfeitas e muitas foram as tentativas oficiais de impedir que o material fosse feito em território nacional. Políticos e autoridades acreditavam que mostrar as fortes diferenças, e os problemas sociais do Brasil para o mundo poderia prejudicar a imagem do país no exterior.

Tudo ficou ainda mais complicado e desconfortável com o governo estadual, quando vazou para a imprensa a informação de que a produção do músico teria negociado com os traficantes da favela para conseguir realizar o trabalho no morro. Mais de 1500 policiais foram designados para garantir a segurança do astro.

Ao ser questionado sobre a escolha do diretor Spike Lee para a direção do vídeo, Michael afirmou: “‘They Don’t Care About Us’ é ousada e Spike Lee se aproximou de mim. É uma canção de sensibilização do público. É tudo que ela é. É quase uma canção de protesto… Eu acho que ele é perfeito para isso.”

18º – “Boom!” (2003)

Artista: System Of a Down
Diretor: Michael Moore
Principais trabalhos no cinema: Fahrenheit 11 de Setembro, Tiros em Columbine, Capitalismo: Uma História de Amor e Sicko – $O$ Saúde

O dia 15 de fevereiro de 2003 ficou registrado no Guiness Book, o Livro dos Recordes, graças a um protesto anti- guerra em escala global. Nesse dia, 7 milhões de pessoas se reuniram ao redor do mundo em mais de 600 cidades para protestar contra a invasão do Iraque, em 2003.

A banda System Of a Down, famosa por seu discurso engajado, também compareceu nas manifestações em favor da paz e convidou o polêmico documentarista Michael Moore para dirigir o clipe da faixa “Boom!”

No clipe, Moore acaba por deixar a canção em segundo plano, quando deixa os aúdios das manifestações aberto, visando mostrar a insatisfação das pessoas. Indo ainda mais além, o cineasta traz ainda uma animação que mostra, em total igualdade, George W. Bush, Tony Blair, Osama bin Laden e Saddam Hussein, como os quatro Cavaleiros do Apocalipse, enquanto Serj Tankian e Daron Malakian, os vocalistas, questionam: “Por que devemos matar nossa própria raça?”

17º – “Helena” (2005)

Artista: My Chemical Romance
Diretor: Marc Webb
Principais trabalhos no de cinema: (500) Dias Com Ela, os dois filmes da série O Espetacular Homem-Aranha

Há quem ame e quem desteste, mas não há como negar que o movimento conhecido como “emo” foi uma forte expressão musical na juventude dos anos 2000, para bem e para o mal também… Antes de marcar sua carreira e mexer com as emoções de adolescentes, jovens e adultos com a comédia (500) Dias Com Ela, Marc Webb dirigiu o videoclipe de “Helena”, da banda My Chemical Romance e fez muitos mancharem o rímel com o famoso funeral.

A música foi composta por Gerard Way, vocalista do MCR, em homenagem à sua avó já falecida, grande incentivadora em sua carreira musical. Justamente por isso, o clipe tem sua localização em um funeral, trazendo uma estética que contrasta a identidade visual gótica e a emo.

O vídeo mostra um Gerard Way angustiado, cheio de excessos e dramacidade que a faixa merece, recheado de closes. As coreografias, que são um destaque a parte, foram idealizadas por Michael Rooney, em especial a parte em que a atriz e dançarina Tracy Phillips levanta do caixão e baila, representando sua jornada para o pós-vida.

No filme O Espetacular Homem-Aranha, Marc Webb usou a mesma igreja onde “Helena” foi gravado para uma cena de funeral.

16º – “Boa Esperança” (2015)

Artista: Emicida
Diretores: Kátia Lund / João Wainer
Principais trabalhos no cinema: Junho – O Mês que Abalou o Brasil, Cidade de Deus (codireção), Notícias de uma Guerra Particular (codireção) e Crianças Invisíveis (codireção)

Boa Esperança ganhou um complemento visual à altura de se seu coro que canta: “Favela ainda é senzala, Jão. Bomba-relógio prestes a estourar”.

O vídeo, dirigido por dirigido por Kátia Lund e João Wainer, coloca o dedo na ferida de questões sociais como racismo e preconceito de classes ao contar o cotidiano de uma branca de classe alta que costuma humilhar seus empregados domésticos, reprimindo seus cabelos, censurando suas risadas, desrespeitando suas funções, assediando as mulheres… Porém, há uma insurgência generalizada dos empregados, que se livram da repressão devolvendo as humilhações com a mesma moeda e inspirando um movimento que cobre todo o país.

O clipe, idealizado pelo próprio Emicida, foi realizado escutando depoimentos de diversas mulheres que trabalharam como empregadas domésticas e sofreram abusos no ambiente de trabalho.

O cantor interpreta o vigia da mansão, que observa o circo pegar fogo pelas câmeras de segurança. A modelo Michelli Provensi, e Domenica e Jorge Dias, filhos de Mano Brown, interpretam empregados da luxuosa residência. Raquel Guimarães Dutra e Divina Cunha, moradoras da ocupação Mauá, em São Paulo, e Dona Jacira, mãe do rapper, também atuam no videoclipe. As três já foram empregadas domésticas na vida real.

15º – “Bones” (2006)

Artista: The Killers
Diretor: Tim Burton
Principais trabalhos no cinema: Edward Mãos de Tesoura, Batman, Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas, Os Fantasmas se Divertem e A Noiva Cadáver

O primeiro videoclipe dirigido pelo cultuado diretor Tim Burton foi para a faixa “Bones”, da banda The Killers, em 2006.

Estrelado por Devon Aoki (+ Velozes + Furiosos) e Michael Steger (da série 90210), o vídeo faz referências a clássicos do cinema como A Um Passo da Eternidade (1953) e Lolita (1962).

Uma das marcas registradas da filmografia do diretor, as figuras esqueléticas marcam presença, em perfeita sincronia com a canção. Brandon Flowers convida: “Você não quer vir comigo? / Você não quer sentir meus ossos nos seus ossos? / É simplesmente natural” e, quem melhor para nortear o vídeo do que um cineasta que brindou os cinemas com uma história de amor como a de O Estranho Mundo de Jack?!

Em 2012, Burton dirigiu o clipe da balada romântica “Here With Me”, estrelado por Winona Ryder e Craig Roberts, repetindo a parceria com a banda de Las Vegas.

14º – “Ela Disse Adeus” (1998)

Artista: Paralamas do Sucesso
Diretor: Andrucha Waddington / Toni Vanzolin / Breno Silveira
Principais trabalhos no cinema: Gêmeas (Waddington), Eu Tu Eles (Waddington), Casa de Areia (Waddington), Os Penetras (Waddington), Dois Filhos de Francisco (Silveira), Gonzaga – de Pai para Filho (Silveira), Era Uma Vez (Silveira), Eu e Meu Guarda Chuva (Vanzolin)

O clipe, rodado todo em película, tem o objetivo de recriar os filmes do cinema mudo do início do século XX, com direito a cartelas de texto que ajudam a contar a história e a uma sonoplastia que inclui o ruído que projetores antigos faziam nas salas de cinema , o vídeo explica o porquê da musa inspiradora da letra, interpretada por Fernando Torres, “não precisar mais de você”.

Herbert Vianna, Bi Ribeiro e João Barone, os integrantes d’Os Paralamas do Sucesso, desfazem da personagem feminina de todas as maneiras que podem, até que ela assume seu lado femme-fatale e dá o merecido troco. Em entrevistas da época, os músicos diziam que tinham ficados desconcertados ao trabalhar com a atriz tamanha força da interpretção de Fernanda.

O clipe de “Ela Disse Adeus” foi eleito pela Folha de São Paulo como o melhor clipe nacional de todos os tempos.

13º – “No One Knows” (2002)

Artista: Queens Of The Stone Age
Diretor: Michel Gondry / Dean Karr
Principais trabalhos no cinema: Natureza Quase Humana, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, Rebobine, Por Favor e Micróbio e Gasolina

Um videoclipe insano, uma história incomum. Os ingredientes perfeitos para o cineasta Michel Gondry, conhecido por suas escolhas de contar histórias incomuns. No vídeo de “No One Knows”, uma banda atropela um veado na estrada. Por mais estranho que possa parecer, o animal toma o controle do carro, faz os músicos de refém, intimida garotas de programa e persegue escoteiros. Bem, o que mais é possível dizer?

12º – “Minha Alma (A Paz Que Eu Não Quero” (2000)

Artista: O Rappa
Diretora: Kátia Lund / Breno Silveira
Principais trabalhos no cinema: Notícias de uma Guerra Particular (Lund, codireção), Cidade de Deus (Lund, codireção) e Crianças Invisíveis (Lund, codireção) / Gonzaga – de Pai pra Filho (Silveira), À Beira do Caminho (Silveira) e Gonzaga – De Pai pra Filho (Silveira)

O videoclipe de “Minha Alma (A Paz Que Eu Não Quero)” é um verdadeiro curta que explicita a ideia de contestação social que a banda O Rappa expressa no aclamado álbum “Lado B lado A”.

Rodado em cores, mas depois convertido para o formato preto e branco, o clipe ( que tem om direção de Kátia Lund e Breno Silveira e roteiro de Paulo Lins (que trabalhou com Lund em Cidade de Deus e na série Cidade dos Homens)) foi rodado no Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro, onde funciona o projeto social Nós do Morro, que dá novas perspectivas para crianças e adolescentes carentes através das artes.

O vídeo conta o cotidiano dos moradores do Vidigal, mostrando a realidade de pessoas trabalhadoras e jovens em busca de direção, fugindo do esteriótipo de “favelado”. Ao longo do clipe, os punhos fortes do racismo institucionalizado, na forma de brutalidade policial, vitimam um dos jovens, confundido com um ladrão. Depois do episódio, os moradores da comunidade iniciam um protesto, visto pelo carismático menino Gigante, Ramon Franscico, na época, com 4 anos de idade.

11º – “Bad” (1987)

Artista: Michael Jackson
Diretor: Martin Scorsese
Principais trabalhos no cinema: Touro Indomável, Os Bons Companheiros, Taxi Driver, Os Infiltrados e O Lobo de Wall Street

O videoclipe de “Bad” é por sí só um espetáculo áudio-visual e, nesta lista, é o único vídeo que foi dirigido por um diretor já consagrado: Martin Scorsese. O cineasta já havia lançado em alguns de seus maiores clássicos em 1987, além de ter sido indicado ao Oscar e ao Globo de Ouro.

Na história, Michael interpreta Darryl, um jovem que volta para o gueto depois de uma temporada estudando em uma cara escola particular. Após ser hostilizado por seus antigos amigos, com quem costumava praticar pequenos delitos, por ter se tornado um mauricinho, ele prova que ainda é mau dançando ao lado de uma gangue de punks.

Mesmo sofrendo um corte de 4 minutos para passar na MTV, “Bad” ganhou um curta-metragem de 18 minutos, totalmente comandado por Scorsese, com roteiro de Richard Price (A Cor do Dinheiro). Wesley Snipes, ainda no início de sua carreira, faz parte do grupo rival que confronta Michael. Você pode assistir essa versão clicando aqui.

O clipe foi inspirado no musical vencedor do Oscar Amor, Sublime Amor.

10º – “I Just Don’t Know What to Do With Myself” (2003)

Artista: The White Stripes
Diretora: Sofia Coppola
Principais trabalhos no cinema: As Virgens Suicidas, Encontros e Desencontros e Maria Antonieta

Muitos consideram o videoclipe mais sensual da história do rock’n’roll, traz nada menos do que Kate Moss de biquíni, fazendo pole dance enquanto é filmada. O material, em fotografia preta e branca, foi feito para promover o cover da banda The White Stripes para a faixa “I Just Don’t Know What to Do with Myself”, em uma versão blues rock vigoroso. Por Sofia Coppola. Não há mais o que dizer.

9º – “Til It Happens To You” (2015)

Artista: Lady Gaga
Diretor: Catherine Hardwicke
Principais trabalhos no cinema: Aos Treze, Os Reis de Dogtown, Crepúsculo e A Garota da Capa Vermelha

Com um ar de vídeo-denúncia, o clipe de “Til It Happens To You” contém imagens fortes com a direção de Catherine Hardwicke. A canção de Gaga foi escrita exclusivamente para o documentário The Hunting Ground, que fala sobre a alarmante incidência de estupros nos campus universitários dos EUA.

O material traz cenas de abuso sexual de mulheres e de um transexual, extremamente desconfortantes, mas muito eficientes para retratar o terror da situação a qual milhões de mulheres são submetidas no mundo todo, todo os dias. O elenco conta com as atrizes Nikki Reed e Kiersey Clemons.

8º- “Karma Police” (1997)

Artista: Radiohead
Diretor: Jonathan Glazer
Principais trabalhos no cinema: Sob a Pele, Reencarnação e Sexy Beast

Em um vídeo clipe cheio de significados, com um enredo simples, mas nada comum, o Radiohead conseguiu entregar um visual à altura do melhor álbum da carreira da banda, o devastador “Ok Computer”, de 1997.

Sem efeitos visuais apelativos, o diretor Jonathan Glazer traz a câmera como o ponto de vista de um piloto desconhecido. Ao longo do vídeo, percebe-se que ele está perseguindo um homem em uma estrada longínqua. Ao filmar nessa posição, o cineasta passa uma sensação angustiante e de crescente tensão, já que é o único foco do vídeo. A escolha também permite que a própria letra da música, que fala sobre como não é possível fugir de um destino, de um karma, fique em primeiro plano, outra decisão acertada.

Existe um jogo de poder em cena quando vemos que o vocalista, Thom Yorke, está no banco de trás, cantando versos como “É isso que acontece quando você mexe conosco”. Entretanto, há uma reviravolta, e a caça se torna caçador, o que torna o videoclipe memorável.

Anos antes, o cineasta tinha apresentado a ideia para o músico Marilyn Manson, que a desaprovou. Melhor para o Radiohead.

7º- “Flerte Fatal” (2005)

Artista: Ira!
Diretor: Selton Mello
Principais trabalhos no cinema: Feliz Natal e O Palhaço

Selton Mello comandou as gravações de seu primeiro vídeo clipe três anos antes de sua estreia como diretor cinematográfico em Feliz Natal. O ator dirigiu o clipe da canção “Flerte Fatal”, da banda Ira!.

A faixa fala sobre os perigos de uma vida de excessos e Emílio Orciollo Netto interpreta o protagonista do clipe, um homem alcoólatra e solitário que remói as dores de um amor perdido enquanto adota um comportamento autodestrutivo.

A interpretação de Emílio é o que faz do vídeo memorável. Ele usa seu corpo para extravasar todas as angústias a qual o seu personagem está submetido. “Quando eu ouvi Flerte Fatal a primeira vez foi uma verdadeira catarse. Eu sempre começava ouvindo a primeira faixa, ia para a segunda, mas quando chegava em Flerte Fatal, que é a terceira faixa do cd, não conseguia escutar as outras, ficava o resto do dia ouvindo ela”, afirmou o ator, o que explica sua entrega ao projeto.

6º- “Vogue” (1990)

Artista: Madonna
Diretor: David Fincher
Principais trabalhos no cinema: Seven – Os Sete Crimes Capitais, Clube da Luta, O Curioso Caso de Benjamin Button, A Rede Social e Garota Exemplar

O clipe tem uma estética que representa a Era de Ouro de Hollywood, o material traz cenas que são intrpretações de famosas fotografias de Horst P. Horst, renomado fotógrafo de moda americano, que retratou grandes personalidades do mundo das artes.

As demais cenas são poses de algumas estrelas do cinema, como Marlyn Monroe, Greta Garbo, Katharine Hepburn, Jean Harlow, Marlene Dietrich, Veronica Lake.

Madonna encena Marlyn com muito fervor enquanto passa uma mensagem de auto-aceitação e inclusão: “Não faz diferença / Se você é negro ou branco / Se você é um garoto ou uma garota / Se a música estiver pulsando / Te dará nova vida / Você é um superstar / Sim / É isso que você é / Você sabe”.

Antecipando a campanha “Free The Nipple”, há uma cena em que David Fincher filma Madonna usando uma controversa camisa transparente, que deixa os seios da cantora à mostra. A MTV quis censurar o vídeo, mas a artista se recusou a ceder às pressões da emissora e apresentou o vídeo em sua forma integral.

5º- “Californication” (2000)

Artista: Red Hot Chilli Peppers
Diretor: Jonathan Dayton e Valerie Faris
Principais trabalhos no cinema: Pequena Miss Sunshine e Ruby Sparks: A Namorada Perfeita

“Californication” é uma das músicas mais famosas da banda californiana Red Hot Chili Peppers e critica os excessos e os perigos do show business em Hollywood, em uma letra enigmática, que faz pouco, o quase nenhum sentido.

O clipe, dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Faris, traz os quatro membros da banda como integrantes de um jogo de video-game, que quase todos os jovens fãs do grupo no início dos anos 2000 (inclusive eu), gostariam que estivesse disponível para PlayStation 1 ou Nintendo 64.

Com uma atmosfera que remete à jogos como GTA e Tony Hawk’s, o vídeo mostra Anthony Kiedis nadando com tubarões em alusão à uma visão do mundo das celebridades como algo hostil. Há ainda espaço para uma certa psicodelia visual. No momento do solo de guitarra de John Frusciante, as versões em 3D dos músicos voam pelo céu em libéluas fluorescentes e no helicóptero de Leonardo da Vinci, enquanto passam por zeppelins, discos voadores e um cavalo branco alado. É sensacional.

4º- “Everlong” (1997)

Artista: Foo Fighters
Diretor: Michel Gondry
Principais trabalhos no cinema: Natureza Quase Humana, Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças, Rebobine, Por Favor e Micróbio e Gasolina

“Everlong” é o trabalho mais assistido de Michel Gondry no YouTube como diretor de videoclipes tendo mais de 50 milhões de visualizações.

O bom humor tradicional da banda Foo Fighters, que em geral usa seus clipes como plataforma para fazer graça, ganhou cores surrealísticas sob a direção do cineasta, que traz o vocalista Dave Grohl e o baterista Taylor Hawkins como um casal e os outros dois membros da banda são os vilões.

Os sonhos, que são material constante na filmografia do cineasta, marcam presença no clipe. Grohl interpreta um homem que tenta proteger sua amada sonhando, se transformando num punk e ganhando uma mão gigante que irá protegê-la de todo mal.

Por mais que muitas pessoas interpretem a canção como uma mensagem para Kurt Cobain, a faixa nada mais é do que uma canção de devoção de um homem para com sua mulher. O clipe é uma incomum história de amor (levemente inspirada em Uma Noite Alucinante – A Morte do Demônio) que só poderia mesmo ter sido pensada por Gondry.

3º- “Diário de Um Detento” (1997)

Artista: Racionais MC’s
Diretor: Maurício Eça
Principais trabalhos no cinema: Apneia e Carrossel – O Filme

Filmado no presídio do Carandiru, palco do infame massacre que dizimou a vida de 111 pessoas, o videoclipe de “Diário de Um Detento”, pedrada fundamental do álbum “Sobrevivendo no Inferno”, traz uma atmosfera que mescla um olhar quase documental, com imagens do Holocausto, de encenações da crucificação de Cristo, imagens de arquivo e Mano Brown encenando um presidiário.

O vídeo foi o primeiro clipe do hip hop nacional a ganhar repercussão em todo país, especialmente depois de ter vencido os prêmios de Melhor Vídeo de Rap e Escolha da Audiência no MTV Video Music Brasil 1998. O jornal Folha de São Paulo deu a “Diário de Um Detento” o prêmio de 2º melhor clipe brasileiro de todos os tempos.

“Para mim, os clipes sempre tiveram o caráter de laboratório, de experimentação de linguagens e, como tal, sempre será uma linguagem jovem e inovadora”, avalia Maurício Eça, diretor do material, que também assinou clipes de artistas como Pitty, Marcelo D2 e O Rappa.

2º-“Hurt” (2003)

Artista: Johnny Cash
Diretor: Mark Romanek
Principais trabalhos no cinema: Retratos de uma Obsessão e Não Me Abandone Jamais

Último sucesso de Johnny Cash em vida, o videoclipe de “Hurt” foi um extremo de dor, saudade, saudação e admiração.

O cineasta se encantou tanto com a interpretação de Cash que implorou ao produtor, Rick Rubin, para filmar algumas imagens para um videoclipe. Ele até mesmo disse que faria todo o trabalho de graça.

Trazendo uma delicada melancolia, o vídeo mostra o velho Johnny, um pouco abatido pela saúde, em sua antiga residência, que chegou a virar a museu, sentado a mesa acompanhado de uma ceia.

Na cena, há alimentos frescos e outros em estado de decomposição, capturando a essência de sua vida, que foi marcada por diversos altos e baixos. Outros destaques são elementos que compõem o ambiente de solidão como o aviso que indica que o museu está fechado e as fotos antigas jogadas pelo chão.

O clipe também é acompanhado por fortes imagens de arquivos da juventude de Cash, junto aos filhos, fazendo shows, e ao lado de sua amada esposa e companheira até o fim de vida, June Carter, a mulher que salvou Cash de uma vida de excessos.

“Eu chorei na primeira vez que assisti esse clipe”, contou o produtor musical Rick Rubin. “Se você apresentasse toda aquela emoção em um filme de duas horas, seria uma grande realização. Fazer isso em um vídeo de quatro minutos é chocante”.

Ao final do vídeo, em completo silêncio, Mark Romanek filma as mãos do músico, que fecha a tampa das teclas do piano. Dois meses depois disso, June Carter morreu. Cinco meses depois, foi a vez do Homem de Preto partir.

1º-“Thriller” (1982)

Artista: Michael Jackson
Diretor: John Landis
Principais trabalhos no cinema: Os Irmãos Cara de Pau, Um Lobisomem Americano em Londres, O Clube dos Cafajestes, Trocando as Bolas e Um Príncipe em Nova York

O ambicioso curta-metragem de “Thriller” custou meio milhão de dólares (quantia altíssima para a época em que foi produzido) e mudou para sempre a indústria musical e é difícil pensar que o vídeo será superado um dia. O trabalho de John Landis é, praticamente, um “Cidadão Kane dos videoclipes”.

O Rei do Pop é retratato no ápice de sua jornada artística em um clipe que praticamente inventou o conceito de relevância que o formato tem na música moderna. Imbatível. O trabalho ajudou a quebrar barreiras raciais na MTV (que oferecia certa resistência para mostrar trabalhos de artistas negros) e foi o primeiro videoclipe a entrar para a Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos por causa de sua relevância cultural.

Landis, que foi contratado para a direção do clipe por causa de seu trabalho em Um Lobisomem Americano em Londres, que tem uma prolífica carreira como ator, diretor, produtor e roteirista de cinema, fez sua magnum opus em “Thriller”, um material que irá perdurar por gerações.

 

E aí, o que achou da nossa lista? Acha que algum ficou de fora? Deixa aí nos comentários pra gente ver!

"O cinema é um modo divino de contar a vida"
Federico Fellini

© 2018 Cinerama Clube.

Todos os direitos reservados.

CONTATO | ANUNCIE

Developed By: Vedrak Devs