O álbum que dividiu os fãs da banda Arctic Monkeys — lançado em maio de 2018, fez Alex Turner nos levar pra um ambiente totalmente diferente do que a banda já fez nesses últimos 16 anos de estrada. Uma viagem literal à Tranquility Base.

Entretanto, quando me refiro apenas a Turner é por conta do próprio álbum, que foi praticamente escrito e composto inteiramente pelo cantor.

Tranquility Base Hotel & Casino (Vinil colorido) LP | Turntablelab Foto/Reprodução.
Tranquility Base Hotel & Casino (Vinil colorido) LP | Turntablelab Foto/Reprodução.

Tranquility Base Hotel & Casino e Stanley Kubrick

As referências ao tão aclamado diretor já começa na própria capa do álbum.

Em entrevista à estação Radio X, Turner conta que teve a ideia depois de ver a foto do set de 2001: Odisseia no Espaço, clássico filme de 1968 dirigido por Stanley Kubrick.

A arte do álbum começou com uma foto que vi de alguém no departamento de arte do [filme], construindo o modelo do hotel Hilton na lua. Neste ponto, já havíamos decidido que o nome do disco seria ‘Tranquility Base Hotel & Casino’, então começamos a pensar em coisas que talvez estariam no lobby deste lugar. […] A coisa que eu mais fiquei obcecado foi que havia um modelo deste lugar dentro do lobby. Foi aí que foquei minha atenção e tempo, e não em pensar em como o lugar parecia, mas como seria o modelo no lobby deste lugar. Eu fiz o modelo.

Foto/Reprodução. Youtube

E lógico que não para por aí, já que Turner ainda nos entrega mais referências nas faixas do álbum. Então abaixo analisarei as músicas e listarei referências à Kubrick.

Letra de ‘One Point Perspective’. Arte: Gabriel Neves

One Point Perspective

Assim que se chama a segunda faixa do álbum, que além de maravilhosa musicalmente, ainda leva o nome da técnica que marcou o estilo de Stanley Kubrick.

One Point Perspective é como foi batizado esse plano (mostrado no vídeo abaixo), onde um único objeto/personagem é o ponto central da câmera. Como se fosse uma pintura.

Kubrick – One-Point Perspective / Vimeo.

Dizem que quando você trabalha unicamente com planos simétricos, você gera um considerável desconforto visual em quem está assistindo. É como se algo estivesse errado na cena ou precisasse ser feito.

Será que Alex quis nos deixar desconfortável?

Four Out Of Five

Contudo, “Four Out Of Five”, foi uma das faixas mais tocadas na promoção do álbum pela banda.

O visual do clipe teve inúmeras influências, como inspiração: 2001: Odisseia no EspaçoBarry LyndonO IluminadoLaranja Mecânica e De Olhos Bem Fechados, sendo todos esses filmes de Kubrick.

O castelo de ‘Four Out Of Five’ e ‘Barry Lyndon’. / Castle Howard

O clipe foi gravado dentro do Castle Howard, em Yorkshire, mesma locação que serviu de cenário para as cenas fabulosas de Barry Lyndon.

Além disso, temos a atmosfera um pouco estranha dos takes, característica essa que Kubrick era especialista. E os diretores do clipe, Ben Chappell e Aaron Brown, conseguiram trazer de forma magnífica toda essa homenagem que Turner idealizou.

Pra melhorar ainda mais a ‘Atmosfera-Kubrick’ temos já de início do clipe o plano citado acima, a famosa ‘One Point Perspective’. Também mais uma clara referência a 2001: Odisseia no Espaço

Cena do clipe de “Four Out Of Five”

Também temos uma citação pra famosa base lunar Clavius, mais uma referência a 2001: Odisseia no Espaço.

Letra de “Four Out Of Five”. Arte: Gabriel Neves

Produção do álbum

(fonte: arcticmonkeys.com.br)

As ideias centrais para o Tranquility Base Hotel and Casino se consolidaram em LA no início de 2017, quando Turner começou a gravar demos em seu modesto estúdio caseiro.

Em um lado do estúdio está o piano Steinway, a bateria, alguns instrumentos vintage e poucas guitarras. Do outro um espaço de trabalho com cartões recortados e lâminas de estilete – resultado das incontáveis horas que Turner passou construindo o design do elaborado modelo arquitetônico que está na capa do álbum:

“Eu não sei o que aconteceu ali”. O cantor admite. “Fiquei um pouco obcecado”. Ele até começou a construir um modelo do palco para a nova turnê do Arctic Monkeys.

“Esse espaço em que estamos agora ficou conhecido como a ‘superfície da lua’” Turner conta. “Você conhece aquela teoria da conspiração sobre Stanley Kubrick ter forjado o pouso da lua em sua garagem ou porão?! Em algum momento comecei a dizer às pessoas ‘Estou indo para a superfície da lua um pouco’ quando vinha trabalhar aqui”.

A divisão dos fãs

Embora o álbum seja conceitual, filosófico e bem composto, não agradou a todos os fãs da banda. Afinal, saímos do rock alternativo à um estilo vintage e cinematográfico. Turner se arriscou em trazer algo mais pessoal, como sua paixão por cinema ou as críticas a sociedade moderna que percorre todo o álbum.

Mas certamente Alex conseguiu fazer o melhor álbum de 2018 e facilmente um dos melhores da década.


Mas esse artigo não poderia existir sem o vídeo do Ombrelo. Então recomendo, caso queira ver outras referências maravilhosas contidas no álbum, dê uma olhada no vídeo que eles fizeram. Tem coisas de Caça Fantasmas até a vida pessoal de Alex: