Não, não é uma versão adolescente de Os Intocáveis ou de Como eu era antes de você ou qualquer filme desses que tem uma pessoa em uma cadeira de rodas.

The Fundamentals of Caring fala sobre Benjamin (Paul Rudd), um ex escritor, atual desempregado, que está claramente deprimido por causa de um trauma muito grande e também está passando por um divórcio complicado. Então ele decide fazer um curso de cuidador.

Em seu primeiro emprego, ele precisa cuidar de Trevor (Craig Roberts), um garoto de 18 anos, que tem Distrofia Muscular de Ducheen, doença essa que atinge 1 a cada 3500 anos, inclusive, ele fica pedindo para o Benjamin falar um número de 1 a cada 3500 só para ser inconveniente mesmo.


A mãe de Trevor, Elsa, é muito ocupada porém extremamente cuidadosa com o filho, é muito fofo ver ela falando do filho, como ela cuidou dele, de como ele é sistemático e gosta de tudo igual sempre.

O filme mostra a relação de Trevor com Ben, Trevor fala coisas “inapropriadas” só para ver como Ben reage, pelo menos é isso que acontece até a primeira briga deles, onde os dois trocam agressões muito duras. Mas o é engraçado é que Trevor entende isso como uma coisa boa e fala pra sua mãe que Ben sugeriu que eles deviam conhecer “as atrações mais fuleiras e bizarras de todo os EUA”.

A vida deles dois mudam a partir desse momento, Trevor se apaixona por uma menina, Dot – interpretada pela Selena Gomez – e Ben começa a superar seus traumas. Eles conhecem uma mulher grávida , Pitts, que é estranhamente gentil. O filho dela nasce durante e a viagem e é nesse momento que Ben supera tudo.


Veja também: Curiosidades do Oscar


Um detalhe muito bonito é que o filme começa com uma criança dando uma gargalhada e nessa cena onde a criança nasce, essa mesma criança aparece novamente só que agora o som da gargalhada foi substituído pelo choro da criança nascendo.

O filme todo tem uma pegada bem sensível porque não fala da doença do Trevor em si, ele não tem o humor ácido só por causa da doença, ele tem uma vida reclusa porque tem medo das pessoas, a mãe é super protetora, ele se acostumou a ficar assistindo TV e saindo de casa uma vez por dia e os problemas com abandono no pai dele. Isso tudo ajudou a ele ser quem é e tratar as pessoas como trata.

Não é um filme sobre um deficiente mal humorado, é sobre como as pessoas são bem mais que as limitações físicas que têm.

Vale a pena assistir.